O corpo humano, a fecundação e desenvolvimento fetal

feto

Conheça seu corpo e saiba como é o desenvolvimento do bebê desde o processo de fecundação.

por Dra. Ligia Giusti Pereira 

 

APARELHO GENITAL FEMININO

O conjunto dos órgãos genitais externos da mulher é chamado VULVA.
Grandes Lábios: são as duas dobras maiores da pele.
Pequenos Lábios: ficam na parte interna dos grandes lábios e se unem junto ao clitóris.
Clitóris: se enche de sangue na excitação sexual; é um órgão muito sensível.Orifício da Uretra: É por onde sai a urina.
Entrada da Vagina: se encontram as glândulas de Bartholin,que produzem secreções para umedecer esta região.
Períneo: é a região onde se localiza a vulva e o ânus.
Vagina: é um canal de mais ou menos 10 cm. É feito de músculos elásticos e se estende até o útero.
É toda enrugada. Suas paredes se encostam e tem a capacidade de se moldar ao pênis durante a penetração.
Forma um canal por onde a criança passa na hora do nascimento.
Na excitação sexual, fabrica um líquido lubrificante.
No fundo da vagina está o colo do útero, que pode ser visto durante o exame ginecológico.
O colo tem um orifício (canal cervical) por onde sai a menstruação e entram os espermatozóides durante a relação sexual.

ÚTERO

Tem a forma e o tamanho de uma pêra ( cerca de 8 cm );
Feito de músculos elásticos, por isso apresenta a capacidade de aumentar de tamanho com o crescimento da criança.
Por dentro, é revestido endométrio, que é renovado todo mês no processo da menstruação.

NIDAÇÃO DO OVO NO ÚTERO

Ocorrendo gravidez, é no endométrio que o embrião vai se aninhar e por isso a mulher não menstrua na gestação.

TUBAS UTERINAS

São dois canais que saem do útero, um de cada lado. Suas pontas têm franjas que atraem o óvulo ao sair do ovário.
Fabricam hormônios femininos – o estrógeno e a progesterona – que são responsáveis pela ovulação e menstruação, regulando o ciclo menstrual. Esses hormônios são responsáveis também pelas características sexuais femininas: a voz, cintura e os quadris, o crescimento dos pêlos, formação dos seios, etc.

OVÁRIOS
Dois órgãos do tamanho de azeitonas grandes que ficam um de cada lado do útero.
Possuem uma grande quantidade de células que vão se transformar em óvulos no início da adolescência

Fabricam hormônios femininos – o estrógeno e a progesterona – que são responsáveis pela ovulação e menstruação, regulando o ciclo menstrual. Esses hormônios são responsáveis também pelas características sexuais femininas: a voz, cintura e os quadris, o crescimento dos pêlos, formação dos seios, etc.

MAMAS
São partes muito sensíveis do corpo.
Por dentro têm gordura e as glândulas mamárias.
Sofrem mudanças: aumentam na gravidez, preparando-se para a produção de leite e, em algumas mulheres costumam inchar antes da menstruação.

 

APARELHO GENITAL MASCULINO

Pênis:
Na sua ponta essa pele forma uma prega (prepúcio ) que recobre a cabeça do pênis (glande).

TESTÍCULOS

Fabricam os espermatozóides, da puberdade até a morte.
Em cada ejaculação o homem expele de 400 a 500 milhões de espermatozóides.
São os espermatozóides que vão determinar o sexo da criança.

 

FECUNDAÇÃO

Os espermatozóides que ficam na vagina sobrevivem apenas 8 horas, mas dentro do útero e das trompas conseguem viver de 2 a 5 dias.
Se nesse período ocorrer a ovulação, pode acontecer a fecundação. A união do óvulo com um espermatozóide ocorre no terço superior da trompa de falópio. Nove dias depois da fecundação o ovo aninhado no endométrio já está do tamanho da cabeça de um alfinete. Aos poucos o embrião vai se formando assim como a placenta e o cordão umbilical.
A placenta irá funcionar como se fosse os pulmões, o fígado e os rins do embrião e também irá fabricar hormônios importantes para a gestação.
O cordão umbilical liga o bebê à placenta levando os açúcares, as proteínas e outras substâncias necessárias para seu crescimento.

Logo no início da gestação desenvolve-se uma membrana que formará o saco amniótico,
onde o bebê fica protegido até nascer.


DESENVOLVIMENTO FETAL

No 1º mês de gestação a criança já tem espinha dorsal, um começo de braços, pernas, nariz e olhos. Tem até um coração que bate.

No final do 2º mês, o bebê tem braços, pernas, dedinhos nas mãos e pés, ombros, joelhos e um rostinho bem pequeno, mas já formado.

No 3º mês o bebê começa a desenvolver o aparelho para emitir voz (cordas vocais). Os genitais externos já aparecem, mas é difícil determinar o sexo.

No 4º mês, o tamanho do bebê já é bastante considerável, mais ou menos como a mão de sua mãe. E a mãe começa a sentir o bebê se mexer dentro dela

No 5º mês aparece na cabeça do bebê – até então carequinha – uma fina camada de cabelos. A unha dos pés e das mãos começa a crescer e o médico já pode ouvir as batidas de seu coraçãozinho, com aparelho de escutar.

No 6º mês as pálpebras se abrem e começam a nascer as sobrancelhas e as pestanas. Olhos completos e audição completa. Receptores gustativos e olfativos já estão funcionando.
No 7º mês o bebê aumenta consideravelmente de tamanho (mais ou menos do tamanho de um braço seu) e pesa quase um quilo e meio. Começa a crescer também o cérebro.

No 8º e 9º meses já está completamente formado e esperando para vir ao mundo e a criança começa a encaixar-se na bacia. Por isso a barriga da mulher desce e a pressão no baixo ventre aumenta. Este fato inicia o processo que terminará com o nascimento da criança. Quando o bebê nasce já possui órgãos prontos para a vida fora do útero. O sistema nervoso e os ossos continuam amadurecendo por muito tempo após o nascimento.
Falar, acariciar a barriga, cantar e ouvir música são gestos percebidos pelos bebês ainda no útero. Esses momentos passam ao pequenino a sensação de tranquilidade e segurança, e ajudam a estabelecer um vínculo ainda mais próximo com a mãe e o mundo que a cerca. Só isso já seria o bastante para dar toda a atenção para a barriga.

MÚSICA NO DESENVOLVIMENTO FETAL

Estudos internacionais mostram que ouvir música clássica durante a gestação colabora no desenvolvimento do cérebro do bebê é o chamado efeito Mozart.
“O bebê estimulado desde a barriga com carinho, música e conversas tem uma capacidade maior de aprender na infância, e seu comportamento social é mais adequado”, conta a terapeuta Mônica Lemos, da Universidade de Brasília.
Ainda na barriga, o bebê responde à mãe de uma forma muito especial.
“Os batimentos cardíacos ficam mais calmos, ele se movimenta, pisca e faz o movimento de sucção como se estivesse mamando quando a mãe canta, por exemplo”, diz ela. Não há prazo certo para começar. Por volta da 16ª semana de vida o ouvido do feto já está formado, e ele pode escutar o que se passa lá fora.
Sabe aquela história de que a música que a mãe ouvia na gravidez é o único calmante para o recém-nascido chorão?
É verdade, especialmente depois dos 6 meses de gestação, quando a memória implícita já está formada no pequenino.

É esta parte do cérebro que, no futuro, dará a sensação de que aquilo já foi sentido antes.
CDs de música clássicas, sons da natureza, músicas próprias para relaxamento são os mais recomendados.
Se a mãe está relaxada, o feto percebe isso e relaxa também.
Se a mãe está tensa ele também é capaz de sentir e responde com tensão.

Portanto, não subestime o poder desse contato e aproveite para curtir o bebê desde já!

Casa de Apoio à Vida

4 thoughts on “O corpo humano, a fecundação e desenvolvimento fetal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *